Translate

quinta-feira, 27 de março de 2014

CUSTOMIZAÇÃO DE BLUSA

Customização de roupas.

O que é customizar uma roupa senão uma reciclagem e renovação do guarda-roupa. A ideia é pra lá de maneira, pois além de economizar e diminuir o volume do desperdício, você termina com uma peça única, personalizada e super original.
O mais importante é escolher um estilo que combine com você, seu temperamento e perfil. Afinal a roupa é uma espécie de apresentação do que somos. Algumas pessoas deixam isto transparecer de maneira bem clara, aberta. Outras são mais tímidas e deixam apenas pequenas insinuações. 
Existem várias ideias para customizar roupas, sapatos e acessórios na internet e no Youtube que vão desde cortes, pinturas e apliques de tecidos, rendas, contas ou tachinhas. Alguns lançam apenas a ideia, outros são verdadeiros tutoriais com todo o passo-a-passo. 
Há ainda a transformação total de uma peça em outra totalmente diferente. Camisas viram bolsas. Calças compridas viram saias. Camisetas masculinas G transformadas em vestidos. E por aí vai. É uma ideia mais legal que a outra. 
Com tanta inspiração fiquei tentada a dar o primeiro passo.
Eu tinha uma blusinha que estava encostada e meio abandonada, relegada a sair do armário apenas para um passeio dentro de casa. É eu tinha... não tenho mais. Resolvi dar uma cara nova a esta peça com uma pintura simples. Agora tenho uma nova peça, prontinha para dar um giro fora de casa. 
Vejam a transformação que embora simples, fez uma grande diferença para minha blusinha.
reciclagem
Se você olharem com atenção vão ver que a minha blusa já teve alguns desenhos que desbotaram com o tempo. Resolvi reavivar estes desenhos.
O problema é que apenas parte do desenho podia ser visto, mais especificamente as folhagens. Mas isto não iria ser problema. Resolvi reavivar estas folhagens como se apresentavam e depois resolveria as flores. Um passo de cada vez. kkkkkkkkkkkkkk. 
Resolvi usar uma tinta que gosto muito em meus artesanatos. Apesar de não ser própria para tecidos é o tipo de tinta que ao ser usada em meus trabalhos preciso ter cuidado para não sujar a roupa, pois depois que seca não costuma sair. Rsrsrsrsrsrsrsrsrs. Além disto, dourado sobre preto sempre cai bem. Vai esta mesma. 
Pintei todas as folhagem maiores, frente e verso da blusa. Deixando secar antes de virar a blusa. Forrei o interior da blusa com jornal para evitar de vazar a tinta para o outro lado. A tinta é relativamente grossa, mas eu não quis correr riscos desnecessários. Usei um pincel fino para fazer este trabalho.
Hora de fazer as flores. Como as originais não deixaram nem sombra, tive que improvisar e criar. Resolvi fazer um mix de flores. Formas e tamanhos diversos. Apenas o contorno e o miolo, este fiz com o cabo do pincel melado de tinta. Se você tiver habilidades manuais e de desenho, pode fazer os desenhos a mão livre. Não é o meu caso. Então, ...Fiz alguns moldes em papel e usei como molde.
RECICLAGEM
O legal da customização é que você ou ama ou odeia o resultado final. Eu amei o resultado da minha pequena aventura. Estou pronta para tentar novas investidas. 
O que acharam? Ficaram animados com a ideia? Então se mexam e comecem a procurar no próprio armário o que poderia ser reformado ou transformado por vocês mesmo. 

reciclagem DE BLUSA
É surpreendente como as ideias começam a florescer de maneira natural pela simples menção da palavra customização. É preciso apenas começar, que o resto vem naturalmente.

Deixo aqui alguns links interessantes sobre o assunto que merecem uma visita:

Um abraço carinhoso a todos, 
Teresa Cintra

BOA SORTE e SUCESSO NOS TRABALHOS!

quarta-feira, 26 de março de 2014

FLAN DE LEITE CARAMELADO

Esta é mais uma receita que fiz por intuição e palpite. Bem do tipo misture isto, acrescente aquilo e que tal mais um pouco disto? 
Ah, como a cozinha é tão parecida com um pequeno laboratório de sabores, cores e paladares. Às vezes acertamos outras não. Com o tempo os acertos começam a superar os erros. É a magia se fazendo presente.
sobremesa sabor caramelo; PUDIM; FLAN; CARAMELO; MANJAR; GELATINA EM PÓ
Mas o que seria a receita que estava criando? Flan, Manjar, Pudim, Mousse ou Gelatina? Não conheço nenhuma receita como a que fiz. Talvez até exista. Quem sabe?
Não é pudim, visto que não leva ovos e não foi cozido no forno em banho-maria. 
Também não seria um mousse, pois não possui estrutura aerada adquirida por claras de ovos batidas em neve ou chantilly. Afinal mousse significa "espuma". 
Minha receita é um creme cozido na panela, engrossado com amido de milho, mas que também recebe gelatina em sua receita. Possui uma consistência cremosa como o pudim, porém mais consistente. Resolvi chamar esta sobremesa de "flan". 
A verdade é que o nome é o que menos interessa, o mais importante é que ficou saborosa e permite algumas variações para novos sabores e combinações a partir da receita base. 
Bom d+.
sobremesa; sobremesa sabor caramelo; PUDIM; FLAN; CARAMELO; MANJAR; GELATINA EM PÓ
Como eu fiz esta receita? Simples e com poucos ingredientes, vejam vocês:
INGREDIENTES:
  • 2 xíc/chá de açúcar
  • 1 1/2 c/sopa de manteiga
  • 1 litro de leite quente
  • 2 c/sopa de maisena
  • Essência de baunilha
  • 1 envelope de gelatina sem sabor
  • 5 colheres de água fria.
sobremesa sabor caramelo; PUDIM; FLAN; CARAMELO; MANJAR; GELATINA EM PÓ

MODO DE PREPARO:

  1. Coloque o açúcar em uma panela e leve ao fogo baixo para caramelizar até que atinja a coloração âmbar.
  2. Despeje o leite quente (reserve meio copo) sobre o caramelo e acrescente a manteiga. Deixe que estes ingredientes se incorporem bem, formando uma mistura bem homogênea. Junte a essência de baunilha.
  3. À parte misture o leite reservado (meio copo) com a maisena, misturando bem. Acrescente aos poucos no leite caramelado, mexendo sempre até engrossar. Reserve a mistura enquanto prepara a gelatina.
  4. Hidrate a gelatina na água fria pelo tempo recomentado pelo fabricante. Depois leve ao fogo em banho-maria até dissolver.
  5. Misture a gelatina ao creme ainda quente, mexendo vigorosamente para incorporar bem. Se o creme estiver frio estará grosso dificultando a mistura da gelatina. 
  6. Coloque em forma para desenformar. Deixe esfriar e leve à geladeira.
  7. Desenforme antes de servir.
sobremesa; sobremesa sabor caramelo; PUDIM; FLAN; CARAMELO; MANJAR; GELATINA EM PÓ
Sugestão: Sirva com calda de chocolate ou outra a seu gosto.
sobremesa sabor caramelo; PUDIM; FLAN; CARAMELO; MANJAR; GELATINA EM PÓ
Desejo a todos amigos e amigas deste blog um ótimo dia!
sobremesa sabor caramelo; PUDIM; FLAN; CARAMELO; MANJAR; GELATINA EM PÓ

BOM APETITE!!!
Mil bjs e um abraço amigo,
                   Teresa Cintra

sábado, 22 de março de 2014

DESCANSOS DE PANELA COM MOSAICO

No ano passado fiz os descansos abaixo aproveitando um conjunto de madeira que precisava de uma nova "roupagem". 
mosaico
Com o uso constante no dia-a-dia algumas pedras das bordas quebraram e precisaram de substituição. E lá fui eu desenterrar do fundo do armário as pastilhas que sobraram do trabalho anterior.
Infelizmente, não encontrei as com coloração verde claro, apenas as verde escuro. Como o objetivo era reciclar e aproveitar o que tinha, resolvi remover todo o contorno e substituí-lo pelas pastilhas verde escuro.

Material necessário:
  • Espátulas, chave de fenda, martelo; 
  • Pastilhas de cerâmica na cor desejada;
  • Torquês de mola ou torquês de roldana ou alicate;
  • Material de segurança (óculos e luvas);
  • Cola branca tipo extra-forte;
  • Recipiente com água;
  • Rejunte;
  • Espátula plástica;
  • Paninho e esponja para limpeza;
  • Óculos de proteção e luvas:
  • Jornal velho ou plástico para forrar o local de trabalho. 
Passo-a-passo:
  1. Retirei parte do rejunte da área a ser removida e soltei as pastilhas usando a chave de fenda como alavanca e fazendo leve pressão.
    reciclagem
  2. Com a espátula raspei totalmente os resíduos de rejunte e cola. Retire toda a poeira da superfície com o uso de um pano úmido. Deixe secar bem antes de começar a colar.
     
  3. Colei as pastilhas contornando as peças com cola branca extra forte sem diluição.É importante deixar um espaço entre as peças para poder dar o acabamento com o rejunte.
  4. Com o torquês (alicate próprio para a quebra das pastilhas) quebrei algumas pastilhas para usar os pedaços nas quinas do descanso e dar um melhor acabamento ao trabalho.           "Atenção com os cacos das pastilhas. São altamente cortantes. Mosaico com pastilhas quebradas não é serviço para crianças ou pessoas distraídas."  Use sempre óculos de proteção e luvas, quando for quebrar as peças com o martelo ou cortá-las com o torquês. Um pequeno fragmento nos olhos pode provocar danos irreparáveis à córnea. Evite acidentes.
  5. Deixei a cola secar por 24h antes de fazer o rejunte.
    reciclagem

    reciclagem com mosaiso
  6. Preparei o rejunte conforme orientação do fabricante. O ponto ideal do rejunte é úmido como uma pasta. Para aumentar o poder de colagem do rejunte juntei um pouco de cola branca à massa. 
  7. Com o uso de luvas e de uma espátula plástica passei o rejunte. Além da agressão do próprio rejunte as bordas das pastilhas podem ferir os dedos.
  8. Retirei o excesso do rejunte com uma esponja úmida (não encharcada) e finalizei a limpeza com um paninho também úmido. No final use jornal velho para tirar qualquer resídio do rejunte sobre as pastilhas. A limpeza deve ser no máximo com 15 minutos após a aplicação. Caso contrário o excesso só será retirado com o uso de um removedor específico. 
Vejam o resultado já finalizado com o rejunte.
reciclagem
MOSAICO
MOSAICO
MOSAICO
Gostei do resultado final, o trabalho ganhou um novo visual e aumentou o contraste de maneira bem harmoniosa. Minha mesa irá ficar mais colorida e florida durante as refeições.

Vocês não concordam que ficou uma belezinha? 

Um abraço carinhoso a todos, 
Teresa Cintra

BOA SORTE e SUCESSO NOS TRABALHOS!

terça-feira, 18 de março de 2014

BOLO DE XERÉM DE CUSCUZ

milho
Olá, como vão vocês?
Hoje fiz um bolo que foi uma invenção para reaproveitar o xerém que sobrou do dia anterior. 
milho
Para quem não sabe xerém é o milho pilado grosso que não passa em peneira. Por ser de milho cru, normalmente o seu preparo requer bastante tempo de cozimento. Uma alternativa é usar a farinha para cuscuz que por ser pré-cozida, leva menos tempo no fogo. 
Existe o xerém doce e o xerém salgado, este último usado como acompanhamento para carnes e aves assadas ou guisadas com um bom molho. Foi o salgado que resolvi fazer no final de semana. Nada como um bom prato de xerém salgado com galinha cabidela. Huummm é muito bom. 
Mas o xerém não se presta para requentar e normalmente a sobra vai para o lixo. Um desperdício. Resolvi então reaproveitar a sobra em um bolo. 
Antes de postar a receita do bolo vou colocar a maneira de fazer o xerém de cuscuz. A receita é bem simples e usa poucos ingredientes. 
Receita do xerém salgado:
- 2 a 3 colheres de farinha de cuscuz por pessoa;
- água o suficiente para o cozimento; 
- sal a gosto;
- 1 a 2 c/sopa rasa de manteiga ou margarina.
     Coloque todos os ingredientes em uma panela. A água deve ficar com mais ou menos dois dedos acima da superfície da farinha de cuscuz. Leve a panela ao fogo brando, mexendo ocasionalmente. Lembre-se que o cuscuz absorve bastante água inchando e aumentando o volume. Se for preciso acrescentar água durante o processo use água quente ou morna. A consistência deve ficar como um angu mineiro, grosso porém cremoso. Sirva quente assim que ficar pronto. Quando esfria o xerém fica firme, portanto prepare-o quando a carne já estiver pronta ou perto de terminar o seu cozimento.
A receita lembra muito o angu mineiro feito com fubá. A diferença é a farinha usada que deixa um aspecto granulado à receita.
Se ao invés do cuscuz de milho, você for usar o xerém de milho (ingrediente original da receita), lembre-se que o tempo de cozimento é bem maior. Algumas pessoas preferem usar a panela de pressão, pois o verdadeiro xerém é muito duro.

E o que tem o xerém com o bolo de hoje?
Simples, fiquei com pena de jogar fora o que sobrou desta delícia. Na realidade não sobrou muita coisa, apenas uma xícara/chá de xerém de cuscuz. 
Bom vamos deixar de lero lero e ir direto para a receita.
Bolo de xerém de cuscuz:
INGREDIENTES: 
milho

  • 3 claras
  • 3 gemas
  • 1 1/2 xícara de açúcar
  • 100g de manteiga ou margarina sem sal (o xerém usado foi preparado com sal)
  • 1 xíc/chá de xerém de cuscuz já cozido
  • 1 c/sopa de queijo ralado
  • 1 xíc/chá de leite
  • 5 c/sopa cheia de farinha de trigo
  • 1 c/sopa de fermento em pó

MODO DE PREPARO:
  1. Pré-aqueça o forno à 180ºC.
  2. Bata as claras em neve. Reserve.
  3. Em uma tigela bata o açúcar com a manteiga até formar um creme. Acrescente as gemas uma a uma, incorporando-as bem ao creme. 
  4. Junte o xerém cozido e o queijo ralado. Misture bem.
  5. Acrescente a farinha de trigo misturada com o fermento aos poucos alternando com o leite. Batendo constantemente.
  6. Desligue a batedeira e acrescente as claras em neve, misturando delicadamente.
  7. Despeje a mistura em uma forma. Como usei uma forma de silicone eu não untei a mesma. Veja os cuidados necessários com formas e utensílios de silicone no link http://teresacintra.blogspot.com.br/2014/01/formas-e-utensilios-de-silicone-na.html  Eu adoro minhas formas de silicone são tão práticas e fáceis de manusear. Naturalmente que alguns cuidados devem ser tomados, mas são bem simples. Se você não usar este tipo de forma não se esqueça de untar a forma tradicional. 
  8. Leve ao forno pré-aquecido a 180ºC por aproximadamente 30 a 35 minutos.
  9. Retire do forno e deixe esfriar antes de desenformar. 
    milho; CUSCUZ; BOLO CASEIRO
    milho 
  10. Se quiser polvilhe açúcar refinado ou de confeiteiro sobre o bolo ainda quente. Eu optei pelo açúcar de confeiteiro, polvilhando-o com o auxílio de uma peneirinha fina.
    milho; CUSCUZ, FARINHA DE CUSCUZ; BOLO CASEIRO
Sirva com chá de canela ou com um delicioso café. 
milho; CUSCUZ, FARINHA DE CUSCUZ; BOLO CASEIRO
Espero que tenham gostado. Eu provei e aprovei. Ficou muito bom, leve e macio. Servidos?
milho; CUSCUZ, FARINHA DE CUSCUZ; BOLO CASEIRO

milho; CUSCUZ, FARINHA DE CUSCUZ; BOLO CASEIRO
Desejo a todos amigos e amigas deste blog um ótimo dia.

BOM APETITE!!!
Mil bjs e um abraço amigo,
                   Teresa Cintra




quinta-feira, 13 de março de 2014

MUNGUZÁ

O munguzá, como é chamado no nordeste brasileiro, é conhecido em outras regiões como canjica.
Por aqui, a canjica é uma comida feita com milho verde liquidificado, sendo uma espécie de mingau endurecido de acordo com o gosto, podendo ser de colher (canjica mole) ou de corte. A consistência da canjica nordestina irá depender do tempo de cozimento. Já esta canjica do nordeste é conhecida no sudeste como curau.
Ainda me lembro do susto que levei, quando durante uma período de festas juninas, no meu primeiro ano no nordeste (sou natural de Minas Gerais), solicitei um prato de canjica e recebi curau. Fiquei segurando o prato e olhando dele para a atendente da barraca, até que uma amigo que também não era da região, mas que morava algum tempo por aqui, começou a rir e me explicou a situação. Comecei a rir também e terminei por comer o curau, afinal eu é que estava fora do contexto do lugar. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk. A atendente é que não entendeu nada de nada, ficou inocente do início ao fim. Para não ir embora com vontade de comer canjica, digo munguzá, pedi a iguaria no final da noite e matei a vontade. kkkkkkkkkkkk. 
Mas o nome não é a única diferença do munguzá entre as regiões do país. O milho para o prato também difere. Enquanto no nordeste é usado o milho para munguzá amarelo, no sudeste do país o milho escolhido é o branco.
canjica mineira; FESTA JUNINA; LANCHE; MILHO
Este prato é muito apreciado, principalmente na época dos festejos juninos. 
Na região litorânea do nordeste, tanto o munguzá como a canjica, são acrescidos de leite de coco. Já no interior da região e no sertão os pratos são preparados sem o leite de coco. 
Atualmente, com a facilidade de aquisição dos ingredientes em qualquer região do país, existem muitas variações e adaptações da receita. 
Hoje irei postar uma que gosto muito e é bem apreciada aqui em casa. Espero que vocês gostem e façam.

INGREDIENTES:
  • 2 xic/chá de milho para munguzá
  • água suficiente para cozinhar
  • 2 pau de canela
  • 3 cravos da índia
  • 1 litro de leite integral (ou 500ml de leite integral + 500ml leite de coco)
  • 1 lata de leite condensado
  • pitada de sal
  • Canela em pó para polvilhar.
MODO DE PREPARO:
  1. Coloque o milho de molho em água o suficiente para cobrir todo o milho. De preferência deixe de um dia para o outro. No mínimo 10 horas para amolecer os grãos.
  2. Escorra toda a água. Não precisa lavar os grãos. 
  3. Coloque-os em uma panela de pressão, com água até cobrir os milhos. Acrescente o pau de canela, os cravos da índia e o sal. Feche a panela e leve para cozinhar por aproximadamente 40 minutos.
  4. Caso você prefira cozinhar sem pressão o tempo será bem maior, algo em torno de 1 hora.
  5. Depois do tempo de cozimento, destampe a panela depois de resfriar e sair todo o vapor. Observe se os grãos estão macios. Se for necessário deixe ferver um pouco mais fora da pressão. 
  6. Estando os milhos macios, acrescente o leite, o leite condensado e misture bem.
  7. Leve ao fogo com a panela destampada até reduzir o caldo e engrossar um pouco.
  8. Sirva quente em um recipiente ou em tacinhas individuais. 
  9. Polvilhe com canela em pó a gosto.
OBS: Se você preferir não for usar leite condensado na receita, acrescente açúcar no momento em que juntar o leite. A quantidade do açúcar seria mais ou menos 1 1/2  a 2 xíc/chá, conforme seu paladar. Eu particularmente prefiro o munguzá feito com o leite condensado, fica mais cremoso e delicioso.
canjica mineira; FESTA JUNINA; LANCHE; MILHO; CANELA EM PÓ
Este é um prato fácil, prático de preparar, saboroso e muito nutritivo. Deve ser servido quente, o que o torna ideal para os dias de inverno ou de chuva. Eu gosto em qualquer época do ano.


Variação: Se for usar o leite de coco você também pode acrescentar um pouco de coco ralado. 
Ou ainda acrescentar amendoim torrado e moído ao final do processo de cozimento (este é um ingrediente muito utilizado no sudeste do país, especialmente em Minas Gerais).

E aí? Vocês estão servidos?


BOM APETITE!!!
Atualização em 24 de junho de 2015

Munguzá com milho branco polvilhado com canela:
canjica mineira; FESTA JUNINA; LANCHE; MILHO; CANELA EM PÓ
canjica mineira; FESTA JUNINA; LANCHE; MILHO; CANELA EM PÓ